em Artigos de Convidados

Saulo Oliveira é um artista Brasileiro radicado em Portugal, que nasceu com surdez profunda nas duas orelhas. Saulo nos contou sobre sua decisão de obter implantes cocleares, os papéis que a arte e a pintura desempenharam nela e como são os sons da pintura.


 

Meu nome é Saulo e eu sou um artista. Eu sou originalmente do Brasil, mas agora moro e trabalho em uma pequena aldeia perto de Lisboa, Portugal. Adoro passear pela Serra de Arrábida, um maravilhoso parque natural com lindas paisagens e praias perto da minha cidade natal. Recentemente também comecei a gostar de ouvir os pintassilgos.

 

Tornando-se um artista

Meu amor pela arte começou quando eu ainda era um garoto. Lembro-me da solidão da surdez, que fez sentir-me isolado, como em uma ilha. Como todas as crianças, eu tinha uma imaginação vívida e adorava pintar. Na minha cabeça, tive a ideia de construir com as minhas pinturas um barco que me permitisse deixar a minha ilha de solidão e viajar pelo mundo. A pintura foi uma maneira de superar meus problemas de comunicação. Mais tarde, frequentei escolas regulares e tentei ouvir meus professores, o que era impossível.

Eu me senti muito sozinho, e minha maneira de lidar com a minha solidão foi indo para bibliotecas, museus e galerias de arte, que abriram meus horizontes, e a pintura sempre me pareceu um refúgio seguro.

Hoje sou um artista em tempo integral e colaboro com galerias de arte em Paris, Lisboa e também do Rio de Janeiro.

 

Pintando em silêncio

Para mim, a pintura é uma eterna busca espiritual. Quanto mais evoluímos, mais nos tornamos modestos e humildes – esse é o aspecto fundamental da pintura. Tem um tremendo poder terapêutico.

Eu costumava pintar no profundo silêncio da minha profunda perda auditiva. Não sei dizer se minha surdez afetou minha arte, mas acho que, com alguma limitação, desenvolvemos outros potenciais. A surdez, de certa forma, ajuda-nos a melhorar a concentração.

 

Conhecendo um Mundo de Sons

No entanto, com o passar do tempo decidi em algum momento que precisava fazer algo sobre viver em silêncio e minha perda auditiva. Eu já tinha ouvido falar sobre implantes cocleares e tinha lido sobre a tecnologia em jornais e revistas. Eu também sabia que por causa da minha perda auditiva profunda, eles eram a única opção para mim. Depois de receber meu implante coclear, houve tantos momentos maravilhosos e momentos emocionantes de escuta.

Uma vez eu desci uma rua vazia à noite e ouvi passos. Olhei em volta para ver se havia alguém por perto. Então percebi que eles eram meus próprios passos, e comecei a tocar e curtir os sons felizes das batidas.

Ou, por exemplo,   quando ouvi alguém rir em um supermercado pela primeira vez, ou quando percebi a maneira muito especial como alguns portugueses cumprimentam você e dizem “Bom Dia!” de uma forma cantada. And, of course, I also love the sound of birds singing.

 

Pintando os sons

Como pintor, estou agora no começo de uma nova fase que chamo de “Pintando o Som”, e para mim será interessante ver como os sons ao meu redor influenciarão minhas pinturas e minha abordagem da arte. Com meu implante coclear, agora também sou capaz de ouvir música enquanto trabalho, e adoro fazer isso! Eu particularmente gosto de ouvir Jazz e Blues e artistas como Frank Sinatra, Miles Davis e Louis Armstrong.

 

Eu ainda não sei para onde esse caminho vai me levar, mas estou atento e observo as mudanças em minha mente e na maneira de ver o mundo. Mas estou imensamente feliz e ansioso para ver onde minha jornada auditiva me levará! Eu também quero agradecer de coração aos Drs. Luís Antunes, Helena Rosa e Lília Ferreira, minha maravilhosa equipe médica, que me ajudou muito na minha jornada auditiva – sou muito grato pelo apoio deles!

Obrigado!

Saulo

Se você quiser ver mais sobre a arte de Saulo, clique aqui: http://saulosilveira.blogspot.com/ ou http://www.facebook.com/saulopintor.  

Comments

Postagens recomendadas