em Tecnologia

Toda a gente sabe o que é “audição” e expressão “perda auditiva” é bastante autoexplicativa. Mas há outro termo que é frequentemente utilizada quando se fala de audição cujo significado não é tão claro e que é o termo “audição residual”. Assim, o que é a audição residual? Porque isso importa?

Se alguém tem uma perda auditiva do tipo neurossensorial, isso significa que eles não conseguem ouvir sons de uma certa frequência que estão abaixo de um determinado volume. O grau de perda auditiva é diferente para cada um e ter uma “perda auditiva” não significa necessariamente que alguém não consegue ouvir qualquer som.

E é aqui onde entra a audição residual. Basicamente, a audição residual é a capacidade de ouvir alguns sons mesmo na presença de uma perda auditiva. Ter audição residual é importante porque ela pode ter um impacto substancial no desempenho auditivo de uma pessoa tanto agora como no futuro.

Como a audição residual acontece?

Como discutimos anteriormente, a audição é um processo no qual aproximadamente 20.000 pequenas células ciliadas na cóclea convertem as vibrações mecânicas das ondas sonoras em pulsos nervosos elétricos que o cérebro entende como som. A perda auditiva neurossensorial, um dos tipos mais comuns de perda auditiva, ocorre quando estas células ciliadas estão ausentes ou danificados. No entanto, como existem muitas destas células ciliadas, é possível que mesmo com uma perda auditiva profunda algumas delas não estarão ausentes ou danificadas.

Audição residual ocorre quando algumas destas células ciliadas não estão faltando ou danificadas. Isso significa que elas ainda podem responder a determinadas frequências de som e ainda estão conectadas às células nervosas que levam ao cérebro. O tipo mais comum de audição residual é a de baixa frequência. Ela ocorre quando alguém perde a sua capacidade de ouvir alguns ou todos os sons de alta frequência, mas ainda pode ouvir sons de baixa frequência. Este fenômeno é frequentemente experimentado por adultos mais velhos, e você pode estar familiarizado com ele se seu avô ou avó não consegue ouvir sons como pássaros cantando, mas ouve sons como motores de automóveis ou algumas vozes masculinas.

Por que a audição residual tem importância?

A audição residual é importante para todas as pessoas com perda auditiva, independentemente de terem ou não recebido um implante coclear, porque ela pode representar audiência potencial.

Para indivíduos que não tenham recebido um implante coclear, é a audição residual da qual eles dependem para ouvir todos os sons. Se eles têm audição residual de baixa frequência, então são os sons de baixa frequência que eles irão ouvir melhor. Aparelhos auditivos, por exemplo, aproveitam a audição residual amplificando as ondas sonoras enviadas para a cóclea, de modo que o restante das células ciliadas podem ouvir os sons mais facilmente.

E a audição residual também é importante para usuários de implantes cocleares. Para estes indivíduos, isso significa preservar a audição residual de forma que ele continua a existir após o feixe de eletrodos do implante coclear ser inserido.

Essa afirmação pode à primeira vista soar surpreendente, porque implantes cocleares são projetados para replicar o sentido da audição, mesmo em indivíduos que não têm absolutamente nenhuma audição residual. Então por que alguém deseja manter sua audição residual se um implante coclear funciona mesmo sem ela?

Porque qualquer audição residual existente suporta os sons que são estimulados pelo implante coclear, o que significa que um usuário pode ter a melhor audição possível. Os implantes cocleares são tecnologias incríveis, sendo a única tecnologia que replica um sentido humano, no entanto a audição residual é ainda melhor do que a estimulação elétrica artificial.

Mais ainda, se alguém tiver suficiente audição residual, ele pode ser um candidato para a estimulação acústica elétrica ou EAS. EAS é um tipo de implante auditivo projetado para indivíduos com audição residual de baixa frequência porque ele oferece tanto a estimulação elétrica para os sons de alta frequência quanto à amplificação acústica de sons de baixa frequência, podendo fornecer ainda melhor desempenho auditivo que um implante coclear sozinho1.

Se alguém dispõe audição residual, consideramos que deve ser preservada, de modo que sua cóclea possa aproveitar de qualquer terapia ou tecnologia a ser desenvolvida no futuro.

Como se preserva a audição residual?

Existem dois aspectos principais para aquilo a que chamamos de preservação da audição residual, ou o que nós chamamos de preservação da estrutura. A primeira tem a ver com a concepção de feixes de eletrodos e a segunda é sobre a técnica cirúrgica. Aqui iremos nos concentrar nos feixes de eletrodos, mas é importante observar que a técnica cirúrgica é essencial.

Desde que desenvolvemos nosso primeiro feixe de eletrodos, temos nos dedicado à preservação da audição residual. Sabemos que os feixes de eletrodos projetados para serem macios e flexíveis são os melhores para preservar as 20.000 delicadas células ciliadas dentro da cóclea, e é por isso que todos os nossos feixes de eletrodos dispõe de exclusivos fios em formato de onda e têm um design flexível. Desta forma podem ser gentilmente inseridos na cóclea, ajudando a preservar as células ciliadas e portanto qualquer audição residual existente.

Deseja-se saber mais sobre como um feixe de eletrodos projetado para preservação estrutural se parece, leia nosso post no blog que se concentra nos projeto de feixes de eletrodos macios e flexíveis da MED-EL.

Referência

  • Usami et al. (2014) Hearing preservation and clinical outcome of 32 consecutive electric acoustic stimulation (EAS) surgeries. Acta Oto-Laryngologica, 134(7), 717-27.

Comments

Postagens recomendadas