em Tecnologia

A maioria das pessoas aprende sobre como a audição funciona na escola. As vibrações sonoras entram no canal auditivo, vibram o tímpano e nos três ossículos no ouvido médio, chegando à cóclea. A partir daqui, eles são transformados em sinais elétricos e enviados ao cérebro, permitindo que você ouça. Simples.

Mas isso é apenas metade da história. As vibrações sonoras não atingem apenas a cóclea através da orelha, mas também através dos ossos do crânio. Isso é chamado de condução óssea e é incrível! Continue lendo para descobrir como a condução óssea não apenas permite que os surdos ouçam, mas também é usada por elefantes e mergulhadores subaquáticos!

Como funciona a condução óssea?

Como dissemos, a condução óssea funciona enviando vibrações sonoras através dos ossos do nosso crânio para a nossa cóclea. Os sons ao nosso redor fazem os ossos do crânio perto de nossa cóclea vibrarem um pouquinho. Podemos não ser capazes de sentir essas vibrações, mas nossa cóclea pode. Estas vibrações captadas são enviadas ao cérebro como sinais elétricos, permitindo-nos ouvir os sons.

Se você ainda não conseguiu entender, pode testá-la agora mesmo – apenas cubra os ouvidos e fale em voz alta. Veja como você ainda consegue ouvir sua própria voz, mesmo com os ouvidos cobertos? Isso ocorre porque as vibrações da sua voz são enviadas através dos ossos do seu crânio e algumas são percebidas pela sua cóclea, permitindo que você ouça.

 

A condução óssea ajudou Beethoven a escrever sinfonias

O conceito de condução óssea já existe há muito tempo. Um dos primeiros a adota-la foi o compositor Ludwig van Beethoven. Beethoven começou a perder a audição aos vinte e poucos anos e precisava de uma maneira de ouvir sua música para poder continuar compondo.

Então ele percebeu que colocando a extremidade de uma vareta no piano e a outra ponta entre os dentes, as vibrações do piano viajavam pela haste, passando por seus dentes e crânio até sua cóclea. Isso permitiu a Beethoven ouvir o suficiente para continuar a compor, e algumas de suas maiores obras foram escritas quando ele já tinha uma perda auditiva severa!

 

Os aparelhos auditivos para condução óssea permitem que os surdos ouçam

Na década de 1970, cientistas e engenheiros descobriram que você poderia usar a condução óssea para fabricar aparelhos auditivos para pessoas com perda auditiva condutiva. Se você tiver perda auditiva condutiva, não poderá ouvir adequadamente, pois as vibrações sonoras não conseguem alcançar sua cóclea através do ouvido. Talvez por algum problema no tímpano ou no ouvido médio, ou pode até ser por má formação no canal auditivo.

Mas, diferentemente de outros tipos de perda auditiva, as pessoas com perda auditiva condutiva ainda podem ouvir via condução óssea e muitas usam um aparelho auditivo de condução óssea. Um pequeno dispositivo usado atrás da orelha, que capta os sons ao seu redor com um microfone e vibra os ossos do crânio para enviar os sons para a cóclea.

Existem muitos tipos diferentes de aparelhos auditivos para condução óssea, incluindo implantes como o BONEBRIDGE e dispositivos não cirúrgicos, como o ADHEAR. Mas todos eles têm um objetivo: permitir que pessoas com perda auditiva condutiva, perda auditiva mista ou surdez unilateral ouçam novamente.

 

A condução óssea mantém os soldados seguros

Não são apenas as pessoas com perda auditiva que usam a condução óssea para ouvir. Os soldados no campo de batalha geralmente usam fones de ouvido de condução óssea para receber seus comandos militares. Por quê? Porque isso significa que eles podem ouvir suas instruções via condução óssea, mas também podem ouvir tiros de inimigos e outros perigos através de seus ouvidos normalmente.

Esses fones de ouvido se tornaram tão sofisticados que agora podem ser integrados aos capacetes dos soldados. Os capacetes têm um receptor de condução óssea especial, que pressiona a pele atrás da orelha do soldado e vibra para transmitir o som aos ossos do crânio.

Nos últimos dois anos, essa tecnologia também foi disponibilizada para os civis (sem o capacete). Os fones de ouvido de condução óssea são vistos como novidade, e são ideais para correr ou andar de bicicleta, onde você quer ouvir sua música, bem como o tráfego que se aproxima e podem até virem acoplados a haste de alguns óculos!

 

A condução óssea ajuda os mergulhadores a se comunicarem

Se você já fez um curso de mergulho, aprendeu uma variedade de sinais manuais para se comunicar debaixo d’água. Mas uma nova tecnologia sofisticada usa a condução óssea para permitir que os mergulhadores ouçam e conversem debaixo d’água.

Um dispositivo de condução óssea pode ser acoplado aos óculos de mergulho, pressionado contra o lado da cabeça. Quando você fala, o microfone capta as vibrações do seu osso e as converte em sinais de ultrassom. Os sinais de ultrassom são enviados através da água para o receptor do seu parceiro, onde são transformados novamente em vibrações e enviados através do osso para a cóclea. Muito legal, né?

 

A condução óssea permite que os elefantes ouçam sons a uma milha de distância

Já se perguntou como os elefantes conversam entre si? Sim, você adivinhou a resposta, condução óssea! Durante a estação de acasalamento, uma fêmea de elefante pisará no chão para que os machos saibam que ela está por perto. As vibrações de seus passos percorrem o solo e depois pelos pés e ossos do elefante, até a cóclea. Os elefantes machos podem captar as vibrações de uma fêmea a vários quilômetros de distância!

Além disso, muitos elefantes colocam o tronco no chão enquanto ouvem chamadas de acasalamento. Os cientistas acreditam que isso poderia ajudar o elefante a localizar a fonte do som, usando a triangulação entre o tronco e os dois pés da frente. Quem disse que elefantes precisam de GPS?

 

A MED-EL possui sistemas de condução óssea para sua audição. Saiba mais sobre o ADHEAR, o revolucionário dispositivo de condução óssea não implantável. Conheça também o BONEBRIDGE, nosso implante de condução óssea, que pode ajudar a perda auditiva dos seus entes queridos


Subscribe To The MED-EL Blog

Want to make sure you get all the latest articles from the MED-EL Blog? Subscribe now!

Comments

Postagens recomendadas